Níveis de comprometimento no Scrum e no Kanban

Membros de um time de desenvolvimento de produto ágil devem compartilhar uma característica básica: comprometimento com um objetivo. Comprometimento pode parecer algo simples de se entender em um primeiro momento mas será que o time realmente entende o que é estar comprometido? O nível de comprometimento em diferentes vertentes ágeis são iguais?

Li um artigo de [ALLUE, 2009] e muitas coisas que foram escritas eu tinha percebido nas implantações de Kanban ou/e Scrum. Resolvi então fazer uma tradução livre, misturada com uma interpretação minha sobre o assunto.

Concordo com [ALLUE, 2009] quando ele diz que há dois tipos de comprometimentos que ele nomeou como “hard commitment” e “soft commitment”. O “hard commitment” é essencialmente uma promessa pontual como: “Eu vou terminar esse relatório até o final do dia”. Já o “soft commitment” é quando uma pessoa ou um time está comprometido com algo de uma forma mais emocional ou ideológica como: “Estou comprometido com o projeto.” ou “Estou comprometido com o time.”. Pessoas que não possuem nenhum dos dois comprometimentos são aquelas que apenas fazem o que deve ser feito para se verem livres da tarefa e ir embora. Geralmente são pessoas que não gostam do que fazem ou estão desmotivadas por algum motivo.

Uma distinção maior entre os dois tipos seria: “Hard commitment” é mais encontrado em organizações onde existe a cadeia de comando-controle, planejamentos detalhados, deadlines imperdíveis e processos burocráticos para se desenvolver projetos. Nesses projetos “hard commitment” é tudo. Geralmente, a perda de um deadline é acompanhada de alguma “punição” como não ganhar bônus, ou ser criticado pelo seu chefe ou até mesmo demissão.

“Soft commitment” é mais fácil de se encontrar em startups ou pequenos projetos onde as pessoas gostam do que fazem, trabalham como um time, focados em um objetivo e, portanto, não necessitam de deadlines agressivos.

Relação de comprometimentos entre Kanban, Scrum e Waterfall. Retirado de [ALLUE, 2009]
No Scrum é necessário que os dois tipos de comprometimentos estejam presentes de certa forma. Mas como o “hard commitment”, que está tão ligado ao modelo tradicional de gerência de projetos, pode estar em uma vertente Ágil? Porque o comprometimento de entregar items ao final de uma sprint surge do próprio time e não de alguma pessoa externa que diz quando ou o que deve ser entregue. Percebo que quando o time dá metas para si mesmo, ele se esforça mais para fazer valer sua palavra e ajuda no foco do time. Quando um time não consegue entregar o prometido não há punições externas como no modelo tradicional. O próprio time se frustra e leva os problemas para a Retrospectiva e tenta resolvê-los.

No Kanban como não há sprints e nem timeboxes não há “hard commitments”. O fluxo de trabalho é contínuo. O time simplismente adiciona, “puxa” as tarefas e as entrega assim que elas ficam prontas. Mas é claro que isso só acontece se o time for auto-organizado, focado e motivado à entregar items (que cai na definição de “soft commitment”). Caso contrário, o Kanban pode levar o time a falta total de comprometimento já que ele não possui “hard commitment” algum.

Portanto, o nível de compromento nessas duas vertentes Ágeis são diferentes e é realmente um desafio saber quando e qual delas passar para o time. O ideal seria que tanto Kanban quanto Scrum pudessem se utilizar apenas de “soft commitment”. No Scrum teríamos que encontrar um meio de conseguir entregar items sem se comprometer com uma data fixa. Já no Kanban teríamos uma pré-restrição em que o time deveria ser um time motivado e auto-organizado. Porém, isso talvez atrapalhe nas organizações que querem implementar Kanban em um ambiente Waterfall, por exemplo.

Referência:

ALLUE, Xavier Quesada. On nature of commitment. Site: http://www.xqa.com.ar/visualmanagement/2009/07/on-the-nature-of-commitment/ 2009. Acessado em 19/07/2012.

  • Tiago Megale

    Oi Reinaldo.
    Realmente curti bastante seu blog. Sou certificado PSPO e Product Manager em uma empresa de software. Gostaria de saber se há espaço para participar contribuindo no seu blog, pois acredito que a abordagem de um PO que veio da área do marketing pode ser interessante.
    Vamos conversar?

    Um abraço e parabéns!